Atuais leituras

domingo, 16 de maio de 2010

Outro poema maldito

Ritornando (como somos cromossomos do Cosmos) autocórdio ó aberração

a olhos nunca vistos mantenha o registro na apoteose da pose e transborda

estiolando e faunaflorescência do ato-do-mato e bicho-em-flor-da-pélvis varia

a prática perfeit-a-mente à coisa de uma hora atrás – sê adicionado um tal

carisma aliás – quimera sim ó quimera douda mas fera ida purifica do alto o

fino trato antro-pós-mórfico enquanto andrógino-gênio somosemprestado ri-

tornado ele in-matura-o-man sonho pra aquém vale o quanto pensa além


Nenhum comentário:

Postar um comentário