Atuais leituras

domingo, 27 de junho de 2010

Primeiro poema da contrição

1.

A vida é difícil o bastante para que a compliquemos

Com palavras que apenas nós entendamos.



2.

É melhor sem o agravar da sintaxe, sem a semântica impenetrável dos poemas

Desejosos de notoriedade e esclarecimento.



3.

A vida já não oprime mais, a vida não é mais vida se despojada

Do simplificado, do significado quase oculto do simples.



4.

Nossa potência, o ato desavisado e gratuito

De ser bom a si mesmo, de não cometer crueldades consigo

E com o mundo estertorado em que vivíamos.



5.

Nossa sabedoria, achar belo o mais dos dias, que ora será poema

Consagrado da crise passada, em branco.



6.

Cada palavra dita – cada palavra a dizer, alçada nossa.




São Paulo, 20 de março de 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário